terça-feira, 10 de novembro de 2009

não custa assim tanto existir



eu cá não me importo de existir. se existir. não cansa, mas mói. por não saber o que é não moer, não cansar, não sofrer é que tenho medo de não existir. a novidade cansa, mói, magoa. mas esta é uma daquelas novidades que eu não gostava assim tanto de experimentar. afinal de contas não custa assim tanto existir

5 comentários:

Marta disse...

eu , confesso, às vezes tenho preguiça de existir...

Paulo disse...

O segredo é mesmo não nos importarmos! Abraço.

kiko disse...

Interessantes, acabei de fazer um post que talvez esteja relacionado com o teu

http://myownparalleluniverse.blogspot.com/2009/11/as-robots-as-we-are.html

cumps

Victor Afonso disse...

Um dia li um livro que mudou a minha vida - "A Tentação de Existir" do filósofo E.M. Cioran. Mas não te aconselho a lê-lo se andas deprimido ;)

Austeriana disse...

jP,
Cansa mas não custa!
O cansaço (sem ser em demasia...) faz bem ao neurónios (põe-nos a funcionar)! E ensina-nos a valorizar o descanso e a preguiça!
Abraço.