domingo, 23 de janeiro de 2011

o tédio| esse miserável tédio

"Descobre que compreende o tédio da sua existência, em que cada caminho é uma improvisação, e uma considerável parte do tempo em que está acordado é consumida em ver onde põe os pés."

William Golding em O Deus das Moscas

é isso. sacanagem de olhos que nos fogem do lugar, para se concentrarem em algo tão fútil como o solo, como se fizesse mal algum tropeçarmos, cairmos, falecermos, virarmos húmus.

Sem comentários: