sábado, 1 de janeiro de 2011

malkovich, malkovich, malkovich, malkovich, malkovich, malkovich, malkovich, malkovich, malkovich, malkovich, malkovich, malkovich, malkovich



Brincando com o conceito de identidade, explorando ao máximo obsessões, Kaufman escreveu, aqui, o mais genial dos seus guiões. Que posso mais dizer? Esmagou-me completamente... Brilhantes interpretações, brilhante direcção, brilhante música. Brilhante conceito. Brilhante final. Brilhante.

Sem comentários: