terça-feira, 4 de janeiro de 2011

2010 em álbuns - 6. Gorillaz - Plastic Beach



as diferenças entre este Plastic Beach e o anterior Demon Days são óbvias: num ambiente mais amplo, uma variedade de sonoridades maior, um conceito, talvez, menos interessante. enquanto alguns álbuns ganham força na homogenia, este vai buscá-la à grande variedade de músicas e estilos. é sobretudo um álbum menos sombrio. temos White Flag com os jambés e os sons de influência aparentemente árabe, Rhynestone Eyes em que a voz de Damon Albarn ganha o máximo protagonismo, Stylo, a faixa mais sombria do álbum com participações de Mos-Def e Bobby Womack, a super-alegre Superfast Jellyfish, Glitter Freeze com Mark E. Smith (The Falls) que parece mesmo uma qualquer faixa do último álbum dos Muse, só que melhor (com excepção das mais orquestrais), Some Kind of Nature, música relativamente bem disposta que merece a voz de Lou Reed, On Melancholy Hill, provavelmente a música mais bela do álbum, a faixa-título que arranca patrocinada pelos Clash, naquela que é uma das melhores músicas do álbum, principalmente, mas não só, graças à introdução, To Binge calma e preguiçosa com Little Dragon, um quase À Cappela de Bobby Womack (Cloud of Unknowing), e Pirate Jet que encerra com muita classe e nível o álbum, entre outras que passam mais despercebidas. não sei se consegui, mas pelo menos tentei demonstrar a grande variedade de sons deste álbum.

não sou o maior apreciador de música electrónica, mas estes Gorillaz, que têm muito de electrónico (o último álbum deles The Fall pareceu-me, nos poucos contactos que tive, ainda mais electrónico), não deixam de fazer parte das minhas bandas favoritas e são das bandas mais influentes do momento.

Sem comentários: