quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Corre para onde quiseres, não para onde te mandam



Eu sou um sujeito que acredito no poder do ser humano. Acredito que quando um homem quer realmente algo, consegue atingi-la, independentemente das barreiras que tem de atravessar. Gosto de acreditar, e acredito mesmo, que o céu não é o limite. Acredito que não há limites, apenas barreiras muito grandes que por vezes são inultrapassáveis, mas apenas por causa da falta de vontade das pessoas.

Isto leva-me muitas vezes a defender posições que podem ser parcialmente erradas, mas que tem certos fundamentos. Por exemplo, eu discordo do valor que é dado à genética. Acho que em última instância, mesmo que o ADN diga que eu sou assim e assado, eu sou capaz de contrariar o meu próprio código genético. Claro está que falo disto no que toca a personalidade, à parte mental. Fisicamente a mente tem poder, mas não tanto assim.

Foram descobertos uma série de genes que dizem ser o gene da infidelidade, o da violência, etc. Eu questiono-me se isto não será só uma forma de desculpabilizar o ser humano? Eu acho que qualquer homem, ou mulher claro está, é capaz de ir contra o seu código genético, desde que tenha vontade para isso. E já me disseram "E se uma pessoa nascer com menor força de vontade?". Acho que até isso é alterável.

Quem quiser que acredite que nós temos a nossa corrida traçada. Eu acredito que, como somos nós quem corremos, podemos sempre correr por fora da pista.

PS:.Um bom exemplo:



2 comentários:

Austeriana disse...

Apreciei a reflexão e, na generalidade,concordo! Quanto à escolha das imagens... brilhante, jP!

jP disse...

obrigado!
desculpa se às vezes não respondo aos comentários, ou respondo de uma forma bastante breve, mas apesar de andar há muito por blogs, só agora comecei a entrar mais a fundo, e a ler comentários e afins! E fazer e responder a comentários exige uma certa ciência ou arte! =)