sexta-feira, 20 de agosto de 2010

A orfã

Por entre clorofórmio, sono, doenças, morte, sangue, dor, ou simplesmente atrás de uma árvore durante uma pequena sesta:

estás sozinha no mundo criança

não tenho o meu papá a minha mamã os meus irmãos

morreram todos num acidente

não morreram não foram para o céu que eu sei

estás sozinha no mundo criança

e não tu é que estás

pois estou sempre estive tal como tu

mas eu tenho amigos

e eles estão lá para ti

claro que estão sempre

ou será que estão lá para eles

cala-te parvo não gosto mais de ti és mau feio sujo gordo burro e mais mau ainda

Mas de facto, a criança estava sozinha.

Sem comentários: