domingo, 20 de fevereiro de 2011

cala-te e come



só num país desmotivado, deprimido, miserável poderiam aparecer as letras de nuno prata. letras de um povo que se conforma, de um povo que desiste, voz de quem se calou e comeu. nas palavras do jornalista de Blitz, creio que Rui Miguel Abreu, mais do que a crítica, a música do ex-ornatos, etiqueta difícil de descolar, é música de "constatação social".

instrumentalmente originais é impressionante ver nuno prata, nico tricot e antónio serginho ao vivo. descontraídos, conseguem dar valor aos difíceis intervalos entre as músicas, transformando duas horas numa experiência única, fazendo a nossa atenção balouçar entre a voz e os instrumentos.

foi sexta. para a semana há long way to alaska.

Sem comentários: