quinta-feira, 13 de maio de 2010

corre

corre, corre... não sabes para onde? corre sem direcção... como no Forest Gump, que eu já vi, mas só lembro o "Run" e a corrida...então corre como ele, sem direcção, sem caminho, sem traço no chão... cuidado ao correr, podes flutuar e voar, por vezes acontece a quem corre demasiado... não corras tanto, podes-te magoar. mas porquê correr, senão para atingir o céu, para ultrapassar a única barreira que homem nenhum vivo ultrapassa sozinho... e eu tenciono ultrapassá-lo... já embalei lá de trás, mal será se não o fizer. no topo da casa mora uma criança doente. bato à janela aceno-lhe, e digo adeus... e ela corre atrás de mim. e todo o mundo correrá atrás de mim. só por um momento. muito breve, enquanto quem toma café se esquece das mesas, cadeiras, do café, e vem atrás. enquanto homens e mulheres esquecem quem são e deixam de escravizar, mental, física e socialmente, bichos e bichas, e todo o mundo corre atrás de mim. cães, gatos, lebres, o borrego do almoço, que viveu preso numa grade de pau, e depois, ainda criança foi morto. e o homem é justo, e o homem é bom, e o homem é superior aos animais, e eu utópico, e eu bom, porque eu não desses... mas não, não consigo suprimir-me, a mim, ao eu carnívoro maléfico filho da mãe, de forma que o borrego atrás de mim também, mas já assado, com batatinhas a acompanhar. é curioso como na cabeça cabe tanta coisa, mas não é curioso coisa nenhuma, porque foi Deus. Deus grande, e conhece o Papa... importante seja quem conhece o Papa, que come criancinhas, ou será que só protege quem as comeu, mas será que só perdão, ou incentivo? pecado, ou perdão? qual será. eu falo com Deus, ele envergonhado com padres e homens comuns, que esqueceram quem ele era... e homens de costas voltadas, e homens que escravizam... esses homens que agora correm atrás de mim, com o borrego, as batatinhas, e o Forrest e os padres, e Deus, e tudo que me cabe na cabeça... corremos todos, de alma dada em direcção ao sonho, à utopia, à paz... já é tarde, se calhar chegamos atrasados.

Sem comentários: